Notícias  > Notícias


29-11-2016 O tempo favorável


Plano Apostólico da Província Portuguesa

Este é "o tempo favorável", "o tempo da salvação". Para o padre José Frazão Correia, provincial da Província Portuguesa da Companhia de Jesus, esta tem de ser a atitude da Igreja nos dias de hoje. Consciente de que está num "mundo plural e secularizado", em que o cristianismo já não é o centro de referência das pessoas, nem tão pouco da consciência de muitos cristãos, a Igreja tem de reconhecer que este é o seu tempo de missão. Deve, por isso, recusar lamentar-se por já não ter a primeira nem a última palavra na sociedade mas, pelo contrário, assumir esta pluralidade do mundo e pôr-se em ação, desejando "cultivar os terrenos que estão áridos".

É este o ponto de partida do Plano Apostólico da Província Portuguesa da Companhia de Jesus (PAP), documento que traça o caminho para os próximos seis anos e que foi apresentado na quinta-feira, dia 24, no Centro Social da Musgueira. As suas linhas orientadoras serviram de mote para uma conversa descontraída mas profunda entre o padre provincial e Isabel Figueiredo, da Rádio Renascença. Perante uma plateia repleta de colaboradores e jesuítas, José Frazão Correia começou por agradecer e sublinhar a importância dos leigos, lembrando que estes não são meros ajudantes dos jesuítas, destinados a fazer aquilo que estes não conseguem, mas colaboradores que partilham com eles a mesma missão.
 
Para por em prática esta missão de anunciar a fé, prosseguiu o padre provincial, o primeiro movimento deve ser o de olhar a realidade com um olhar convertido, ou seja, "sair para o outro com a capacidade de ver Deus em todas as coisas e de ver todas as coisas em Deus". Não se deve, assim, começar por apontar o que está mal ou em falta, nem por "atirar o Evangelho para cima das pessoas como se fosse água benta", mas por "estar com", num movimento de aproximação ao outro, ao próximo que não é uma categoria mas uma pessoa. José Frazão Correia lembrou ainda que "não podemos fazer nenhum bem sem o mínimo de empatia".
 
O segundo movimento da missão deve passar pelo anúncio profético, aponta o Plano Apostólico, o que exige uma capacidade para ler criticamente a realidade a partir do Evangelho, sempre com liberdade e distanciamento. O terceiro e último movimento do método de anúncio da fé, concluiu o padre José Frazão, passa por reconhecer o "já da salvação no ainda não do presente". Algo que exige paciência e humildade para perceber que, mesmo não sendo nós os salvadores (só Deus salva), somos colaboradores na ação divina no mundo. "Deus já está a agir no mundo. Nós não vamos levar Deus ao mundo como se este estivesse vazio. Nós vamos regar as sementes", sublinhou o padre provincial.
 
Depois da explicação sobre o método do anúncio, a conversa prosseguiu aprofundando as linhas apostólicas da missão, que são transversais a toda as obras e comunidades, independentemente de estarem mais vocacionadas para uma vertente do que para outra. O Plano Apostólico aponta três: o serviço da fé, a promoção da justiça e o dialogo intercultural e inter-religioso. José Frazão fez questão de sublinhar que esta é uma orientação global, que vale tanto para um colégio, como uma casa de retiros ou um centro social.
Quanto aos destinatários da missão, o documento orientador aponta cinco grupos  preferenciais: a juventude universitária e pré-universitária, as pessoas e grupos sociais vulneráveis, os casais jovens e as famílias em dificuldade, o clero diocesano e as pessoas em discernimento vocacional. Questionado por Isabel Figueiredo sobre a família, José Frazão Correia lembrou as exigências da vida atual que impedem uma saudável conciliação familiar, uma atenção à educação dos filhos e uma dificuldade na gestão do tempo e na oração familiar. Em relação ao clero diocesano, o provincial dos jesuítas portugueses realçou também a sobrecarga, o envelhecimento e a solidão dos sacerdotes, considerando que deve ser uma preocupação da Companhia proporcionar-lhes acompanhamento espiritual, nomeadamente através de exercícios espirituais 
 
O Plano Apostólico refere ainda sete campos apostólicos prioritários: Centro Brotéria e Faculdade de Filosofia, gabinete de comunicação, serviço de formação inaciana, visão e missão para os colégios, plataformas apostólicas em centros urbanos, Sul de Portugal e colaboração missionária e com a Companhia universal. 
PDF do PAP
 

 


  Anterior